CONTINUAÇÃO

CONTINUAÇÃO

Gravou e fez adaptação em português para uma das faixas do grupo francês de reggae Mister Gang , no disco " Tout le Monde Est Là" , além de ser responsável pelo remix do single de lançamento (primeira música de trabalho promocional);

Gravou e arranjou três faixas no disco do artista maliano Mangala: Réexpédicton, n°1 no box-office da rádio parisiense Afrika 1.

Na música instrumental, foi um dos fundadores do grupo de jazz brasileiro Jazzmineiro; colaborou durante oito anos com o grupo de música instrumental moderna argentina Ombú,do compositor e arranjador Lalo Zanelli, de quem foi o solista predileto; e foi também um dos fundadores do grupo funky/jazz/hip hop Hopen Collective, aclamado em Paris como o grupo mais eclético de música instrumental em 1997.

 

Entre 1998 e 2000, Glaucus Linx trabalhou basicamente em projetos próprios, como o Klassik Remix by Dr. Flinx, em duo com Feal, saxofonista do grupo Mr. Gang – projeto no qual deslocavam a música clássica para universos diferentes, como jungle, R&B, Drum&Bass e também, é lógico, a Bossa Nova; e o projeto Ray-O-Vac, em que trabalhou na fusão de várias tendências da música brasileira com os ritmos jungle, techno, R&B , etc. Foi também convidado por Robert Thomas Jr., percussionista do mítico grupo de jazz-rock Weather Report, para " De volta ao Brasil" .

 

Em início de 2001, Glaucus retomou sua rota nacional, tocando, produzindo ou arranjando para Nelson Sargento, D. Ivone Lara, Cláudio Zoli, Banda Black Rio, Leila Pinheiro, Cabeça de Nêgo, Fabio Fonseca Trio, etc. Começou ainda a trabalhar em seu novo projeto: KIND OF SAMBA, no qual recria a atmosfera da música instrumental dos anos 60, revisitando a Bossa Nova, o Sambalanço, o Samba-Jazz, etc.

 

Em 2005, grava um CD em parceria autoral com Antoine Olivier, um dos precursores do Drum&Bass em Londres, além de ser compositor de renome nos meios publicitários londrino e parisiense. Os produtores/editores são ninguém mais, ninguém menos que Boosey & Hawkes, os maiores editores da Inglaterra, que trabalham tanto com música popular quanto com música clássica. O CD conta com a nata dos músicos cariocas, como Elcio Cáfaro (bateria), José Luis Maia (baixista, filho do saudoso Luisão Maia), Fernando Moraes (piano), Joviniano Jovi e Jacaré (percussões), João Carlos Coutinho (acordeon), a dupla fantástica Silvério e Zé da Velha, Carlinhos 7 cordas, Hulk (cavaco), Gabriel Improta e Daniel Santiago (violão), Andrea Dutra (voz), Ronaldo Barcellos (Voz), Clóvis Pê da Mangueira e a incrível Mariana de Moraes (neta de Vinícius), cantando Como Vou Fazer, hit do CD, que é completamente acústico e tem toda uma atmosfera anos 60/70.

 

Em 2006, Glaucus Linx foi incluído, ainda em parceria autoral com Antoine Olivier (DuoDois Irmãos) na coletânea Brazilian Lounge, pela Putumayo (selo de world music) coma música Como Vou Fazer, cantada por Mariana de Moraes, remixada sempre pelo duo.

 

Retornando a um antigo projeto, o de gravar à moda antiga, ou seja, entrar em estúdio e gravar sem compromissos a não ser o da arte como modo de expressão, Glaucus Linx se junta a Big Charles, baterista único por seu estilo mordente e inesperado, e começa a gravar Ancestrais Futuros, inspirado nos ancestrais de ontem e de amanhã, como costuma dizer. A ideia é conversar com o espaço, com Deus e todos os seus mensageiros, através da energia fundamental cósmica e da música. Ainda em 2006, Glaucus Linx compôs a trilha para o documentário Bombadeira (de Luis Carlos de Alencar), que participa de vários festivais.

 

No ano de 2007, Glaucus teve um importante encontro musical com Márcio Hallack, pianista e compositor mineiro de renome, que culminou com as premiações de melhor composição (Márcio Hallack) e melhor instrumentista (Glaucus Linx) no Festival BDMG Instrumental (promovido pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais). Ainda em 2007, criou a trilha sonora do documentário Párias, da diretora mineira Lindoya Brito. Gravou o CD Fala, Baguera!, de Berval Moraes, e, além de mixar o álbum, fez shows avulsos com o músico.

 

Em 2008, participou do lançamento de Fala, Baguera! e dos shows posteriores. Esteve em Fribourg, Suíça, onde entre abril e maio 2008 produziu o CD Relacionamentos, de Regina Ribeiro – cantora brasileira radicada no país – assinando quatro composições, além dos arranjos. Glaucus mixou o projeto aqui no Brasil, para acrescentar à sonoridade a “cor brasileira”. Paralelamente, compôs para seu novo projeto, Visões, resultado de suas excursões internacionais, no qual misturou e “processou” música sub-sahariana (ritmos 12/8 africanos – gnawa music), jazz, ritmos afrobrasileiros e música instrumental brasileira.

 

Como produtor musical, em 2009 iniciou o trabalho no projeto Avatar, CD de lançamento do compositor mineiro Kadu Mauad, respondendo também pelos arranjos. Produziu o piloto do CD Minhas Coisas Favoritas, de Zezinho da Guitarra, e gravou para estúdios em produçõesindependentes (RJ). Como músico, realizou performances com Marilda Hill Maestrini, sobre seu

 

Em 2010, continuou a produção de Avatar, escreveu arranjos para o grupo Silva Soul, de cujos shows participou como saxofonista; além de assinar a trilha para o curta-metragem O Edifício, do premiado jovem diretor de cinema Vítor Zaiden (Mato Grosso/Juiz de Fora). Realizou, ainda, shows do projeto Visões em Santos Dumont e em Juiz de Fora, no Teatro Pró-Música.

 

Em 2011, assinou os arranjos de metais para duas faixas do disco Fio Condutor, de Clóvis Aguiar, pianista consagrado de Belo Horizonte e velho parceiro do grupo Jazzmineiro, dos “bons velhos tempos” de Paris, além de gravar 5 faixas para o CD de Ezequiel Lima (contrabaixista também de Belo Horizonte) e ser seu convidado especial no projeto Conexão Vivo. No momento, termina as produções dos discos “Minhas Coisas Favoritas” do guitarrista virtuoso Zezinho da Guitarra, que comemora 50 anos de música, e “AVATAR” do compositor juizforano Kadu Mauad, onde também assina arranjos e concepções.

 

2012 foi marcado pela volta de Glaucus Linx aos palcos como artista solo. Compõe com Antoine Olivier (França), produtor, percussionista o projeto Alabé, baseado em profunda pesquisa feita por Antoine sobre os ritmos da nação Ketu do candomblé, onde compõe sobre as estruturas formais do candomblé, na formação Saxes & Percussões.

 

Neste ano de 2013, cria também o Projeto Sax’n’Lounge, onde expõe suas composições sobre vários temas, se utilizando da estrutura computador, vídeo e Guitarra, que é tocada por Pedro Limão (RJ), especialista das texturas sonoras. Sax’n’Lounge mostra composições originais de Glaucus Linx e releituras de clássicos do Jazz e da Música Brasileira, como John Coltrane, Thelonious Monk e Pixinguinha.

© 2023 GLAUCUS LINX -  Criado por Lu Camargo - Web Designer

Fotografia: Denise Marinho, Fernando Grilli e

Sílvio Almeida, Glauco Carvalho, Ana Migliari

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Facebook Icon